Síndrome de Alagille*

Genética da doença: 

A síndrome de Alagille caracteriza-se por anomalias no fígado, coração, olhos, face e esqueleto. O quadro clínico, contudo, é bastante variável, mesmo em indivíduos de uma única família. Existem dois genes associados a esta síndrome, JAG1 e NOTCH2.Aproximadamente 95% dos casos apresentam alterações em JAG1 (mutações de ponto e deleções). Mutações no gene NOTCH2 são encontradas em cerca de 1% a 2% dos afetados.

O padrão de herança da síndrome de Alagille é autossômico dominante, ou seja, um afetado tem 50% de risco de transmitir a mutação para seus filhos. Entretanto, cerca de 50% a 70% dos casos são decorrentes de mutação de novo. Nesta situação, o risco de recorrência da síndrome para os irmãos do paciente é baixo.

 

Quadro Clínico: 

A principal manifestação clínica da síndrome de Alagille é a colestase (em consequência da escassez de dutos biliares intra-hepáticos), comumente associada a outros sinais clínicos: doença cardíaca, anomalias esqueléticas, anomalias oculares e dismorfismos faciais.

As alterações faciais típicas incluem olhos fundos, testa larga, queixo proeminente, nariz longo e estreito, orelhas pequenas ou malformadas. A doença cardíaca decorre da estenose da artéria pulmonar com ou sem associação de anomalias cardíacas complexas. Pode ainda haver retardo no crescimento e colesterol alto.

 

Consulta / Contato: 

Consultas e/ou exames devem ser agendados no CEGH pelo telefone (11) 3091.7966 ou (11) 3091.0878. Responsável pelo serviço: Dra. Maria Rita Passos Bueno.

 

Teste Genético: 

 Painel NGS-v1. Indicado para a investigação de mutações de ponto em JAG1.

 MLPA-TCM MIC. Teste indicado para investigação de duplicação/deleção da região 20p12, que inclui o gene JAG1.