Dra. Luciana Haddad

Dra. Luciana Haddad

Formada em Medicina (1989) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Obteve o título Certificat de Biochimie (1991) no Departamento de Bioquímica da Université de Lausanne (Suíça). Ingressou no laboratório do Prof. Sérgio Pena como aluna de doutorado no programa de Biologia Molecular do Departamento de Bioquímica e Imunologia da UFMG, trabalhando com loci de trinucleotídeos repetitivos com ênfase na síndrome do X frágil (SXF). Lá participou da pesquisa de um teste molecular para triagem de mutações da SXF entre homens, o qual vem sendo utilizado em diferentes laboratórios brasileiros de pesquisa e análises clínicas. Após receber o título de Ph.D. (1997), foi agraciada com uma bolsa de pós-doutorado da Fundação Fulbright (1997-1998) para desenvolver análises funcionais com os genes do Complexo da Esclerose Tuberosa 1 (TSC1) e 2 (TSC2), na Harvard Medical School (Massachusetts General Hospital) sob supervisão da Profa. Vijaya Ramesh. O projeto continuou com uma bolsa Bradley J. Herscot Tuberous Sclerosis Alliance (TSA, USA, 1999-2001). Entre 2002 e 2006, foi jovem pesquisadora do Programa de Fixação de Doutores do CNPq no Departamento de Genética e Biologia Evolutiva da Universidade de São Paulo, trabalhando com a proteína do retardo mental do X frágil (FMRP), sob supervisão da Profa Angela Vianna-Morgante. Em 2006, tornou-se professora doutora no mesmo departamento. Seu principal interesse em pesquisa tem sido entender a diversidade funcional da FMRP devido ao splicing alternativo e investigar o complexo molecular da esclerose tuberosa (TSC) no sistema nervoso e rins.

Linha de pesquisa:

Estuda o entendimento da função normal e variação de produtos gênicos relacionados à deficiência mental e perda auditiva. Para isso, usa técnicas de biologia molecular e celular abordando interações protéicas e de RNA e o trânsito de moléculas em neurônios e outros tipos celulares. No Centro de Estudos do Genoma Humano, colabora com a Profa Regina Mingroni-Netto, buscando estabelecer condições para o cultivo e diferenciação in vitro de progenitores de células ciliadas do órgão de Corti da orelha interna; e identificar proteínas que interajam com a conexina 26, expressa pelo gene GJB2, mutado na forma mais frequente de perda auditiva autossômica recessiva. Colabora com a Profa. Angela Vianna-Morgante no estudo da distribuição subcelular do RNAm do gene do Retardo Mental do X Frágil (FMR1) e a proteína codificada por ele, a proteína do retardo mental do X frágil (FMRP), em células humanas da granulosa do ovário.

 Cinco principais publicações:

Murthy V, Han S, Beauchamp RL, Smith N, Haddad LA, Ito N, Ramesh V. Pam and its ortholog highwire interact with and may negatively regulate the TSC1.TSC2 complex. J Biol Chem (2004) 279(2): 1351 – 1358.

Haddad LA, Smith N, Bowser M, Niida Y, Murthy V, Gonzalez-Agosti C, Ramesh V. TSC1 tumor suppressor hamartin interacts with neurofilament-L and possibly functions as a novel integrator of the neuronal cytoskeleton. J Biol Chem (2002) 277(46): 44180 – 44186.

Murthy V, Haddad LA, Smith N, Pinney D, Tyszkowski R, Brown D, Ramesh V. Similarities and differences in the subcellular localization of hamartin and tuberin in the kidney. Am J Physiol Renal Physiol. (2000) 278(5): F737-46.

Haddad LA, Aguiar MJB, Costa SS, Mingroni-Netto RC, Vianna-Morgante AM, Pena SDJ. Fully mutated and gray-zone FRAXA alleles in Brazilian mentally retarded boys. Am J Med Genet (1999) 84(3): 198-201.

Haddad LA, Mingroni-Netto RC, Vianna-Morgante AM, Pena SDJ. A PCR -based test suitable for screening for fragile X syndrome among mentally retarded males. Hum Genet (1996) 97(6): 808-812.