Laboratório de Proteínas Musculares e Histopatologia Comparada

No Laboratório de Proteínas Musculares e Histopatologia Comparada trabalhamos com células-tronco murinas, extraídas de diferentes fontes, tais como medula óssea, tecido adiposo, e linhagens musculares. Nossos objetivos consistem em, utilizando estas células tronco extraídas de animais normais, testar o seu potencial de repovoar o tecido muscular distrófico, e gerar novas fibras musculares expressando as proteínas deficientes nas diversas formas de distrofias musculares.

Para isto, utilizamos diversos modelos de distrofias musculares em camundongos, que mimetizam os achados histológicos e moleculares das distrofias humanas. As células tronco são injetadas utilizando diferentes vias de acesso, tais como intramuscular ou endovenosa. Testamos também o numero de injeções necessárias, a periodicidade bem como a quantidade de células apropriadas para a sua manutenção no animal injetado. O sucesso da retenção das células é avaliado pela identificação de sua presença no tecido distrófico, rastreando a proteína normal ou marcadores de DNA presentes nestas células normais. Os camundongos são também avaliados por testes funcionais, para verificar possíveis benefícios clínicos.

Todos estes achados são de extrema importância para assegurar terapias em humanos mais seguras e eficazes.

Dra.Mariz Vainzof

Professora associada de Genética Humana e Médica
Coordenadora do Laboratório de Proteínas Musculares e Histopatologia Comparada

Centro de Estudos do Genoma Humano
Depto. de Genética e Biologia Evolutiva

Instituto de Biociências

Universidade de São Paulo